Blog posts

Dancheong a pintura coreana dos templos e palácios

Dancheong a pintura coreana dos templos e palácios

Coréia do Sul

Lembro até hoje da primeira foto que vi de um templo coreano. Suas cores vibrantes e detalhes saltaram aos olhos e me prenderam a atenção. À época não sabia o nome desta pintura tradicional coreana (o dancheong). Recentemente, estive em Seul e lá pude procurar essas cores que, há tempo, me hipnotizaram. Neste post compartilho esta experiência com você, para que se surpreenda assim como um dia me surpreendi. Na foto de capa, uma foto que tirei do teto do Palácio Gyeongbok (Gyeongbokgung), um deleite aos olhos.

Se os palácios europeus escolheram os materiais mais nobres para demonstrar o seu prestígio, os palácios e templos coreanos escolheram a madeira, e quiçá uma base de pedra. Assim como os cidadãos comuns, o rei coreano também vive no térreo do seu palácio e provavelmente numa organização tradicional do espaço. Ele escolhe viver no meio – no meio do palácio, no meio da cidade e até no meio do país.  Assim sendo, a complexidade arquitetônica e a utilização das cores tornam-se duas maneiras fundamentais de se diferenciar o sagrado do profano, o nobre do comum. O refinamento das formas passa pela delicadeza das curvas dos tetos, a forma e encaixe das telhas, o equilíbrio da disposição dos espaços internos e externos; e claro, as cores que são utilizadas de forma magnífica no dancheong.

O dancheong (단청) é a arte tradicional coreana que adorna e protege paredes, tetos, pilares e calhas  de templos e palácios reais. Seu significado literal quer dizer carmesim (dan) e verde/azul (cheong) – as cores básicas da pintura de revestimento.  A arte foi apurada com o passar dos séculos com o desenvolvimento do budismo na Península Coreana e suas padronagens diferem de acordo com a classe e utilização da construção. A pintura protege a superfície da madeira contra o clima e insetos; esconde arranhões e manchas na madeira; demonstra dignidade; e incentiva as pessoas a terem crença e adoração religiosa. Representa também a beleza da natureza e um mundo utópico no qual, através das padronagens de cores, as pessoas desejam viver em harmonia. dancheong é embasado nas cinco cores básicas da filosofia coreana Obangsaek (오방색): azul, vermelho, amarelo, branco e preto. Essas, podem ser combinadas entre si dando origem a tantas outras.

Foto: Alexandre Disaro
Fachada de uma das estruturas no Palácio Gyongbok (Gyongbokgung)[1]
Palácio Deoksu (Deoksugung)
Palácio Deoksu (Deoksugung)[2]
Foto: Alexandre Disaro
Portão Gwanghwa (Gwanghwamun)[3]
Uma das estruturas no Palácio Gyengbok (Gyeongbokgung)
Uma das estruturas no Palácio Gyengbok (Gyeongbokgung)[4]
Templo Tongdo (Tongdosa)
Templo Tongdo (Tongdosa)[5]
Teto de um Daewoongjeon (hall do Buda).
Teto de um Daewoongjeon (hall do Buda)[6]
Templo Yongmun (Yongmunsa).
Templo Yongmun (Yongmunsa)[7]
Foto: Dankoon
Dancheong[8]
Dancheong no estilo Gaya em Gimhaesi
Dancheong no estilo Gaya em Gimhaesi[9]

Como e por quem é feito?

O artista que realiza a pintura chama-se dancheongjang (단청장) . Primeiramente os espaços aonde serão aplicados o dancheong são limpos. Aplicam-se cinco camadas de uma mistura de água quente com cola à superfície já limpa. Em seguida, é colocada a tinta base verde-água. Um papel vazado com o desenho da padronagem é colocado sobre a superfície da madeira onde será aplicada a arte. Com o auxílio de um pincel, uma espécie de pó é pulverizado criando o contorno da arte. Por fim, pigmentos minerais azul, vermelho, amarelo, branco e preto são adicionados nos espaços criados.

Foto:
Um dancheongjang[10]
Pintura sendo aplicada
Pintura sendo aplicada[11]
Pintura sendo aplicada a uma construção
Pintura sendo aplicada a uma construção[12]
Dancheongjang aplicanto a pintura.
Dancheongjang aplicando a pintura[13]

Padronagens e estilos

Há diversas padronagens ricas em cores e simbolismo. Cada uma variando com a era, propósito e autoridade da edificação na qual é aplicada.

  • Figuras geométricas: círculo, quadrado, triângulo, entrelaçado e linhas retas;
  • Arabescos: vinhas, madressilvas, uvas, lespedezas e crisântemos;
  • Elementos da natureza: sol, lua, estrelas, nuvens, rochas, montanhas e córregos;
  • Plantas: bambu, pinheiros e cerejeiras;
  • Flores: lotus, crisântemo, orquídeas, peônias, bosanghwa (flor fictícia do budismo) e romãs;
  • Animais: moluscos, borboletas, insetos, pássaros, peixes e bestas;
  • Motivos religiosos: fogo, deuses, ermitões, dragões, fênix, elefantes, andorinhas, leões, tigres, bodisatvas e figuras sagradas como o Buda;
  • Motivos auspiciosos: felicidade, as 10 criaturas da longevidade, a suástica (卍), riqueza;
  • Atividades cotidianas: pesca, caça, agricultura, guerra, dança, instrumentos musicais sendo tocados, banquetes;

O dancheong é visualmente fantástico com seus complexos motivos. Classificam-se em cinco tipos: Gachil Dancheong, Geutgi Dancheong, Moru Dancheong, Geummoru Dancheong e Geum Dancheong.

  • Gachil Dancheong: recobre a madeira com o verde-água ou carmesim para proteger e servir de fundo às decorações mais elaboradas;
  • Geutgi Dancheong: traçam-se linhas retas de um canto a outro da madeira, frequentemente um par de linhas brancas e pretas;
  • Moru Dancheong: aplicam-se os motivos decorativos (meoricho);
  • Geummoru Dancheong: é a mistura do Moru Dancheong com o Geum Dancheong, acrescentando algumas formas geométricas;
  • Geum Dancheong: é o tipo de pintura mais elaborada, mesclando vários tipos de padronagens a figuras decorativas (Byeoljihwa) desenhadas por todo o espaço entre os Meoricho.
Repare nos tipos de dancheong nesta viga no Palácio de Gyongbok (Gyongbobkgung).
Repare nos tipos de dancheong nesta viga no Palácio de Gyongbok (Gyongbobkgung): gachil-dancheong é a base verde, geutgi-dancheong são as linhas horizontais brancas e pretas e meoricho são as padronagens pintadas em cada extremo da viga. Moru-dancheong é o nome dado a combinação dessas[14]

Alguns elementos e seus significados

A flor de lótus é onipresente. É possível notá-la num desenho mais simples nas toras que sustentam o teto (buricho), e num desenho mais elaborado no meoricho. Nas flores do meoricho encontram-se alguns pontos brancos chamados de minjujeom. Estes, simbolizam a incomensurabilidade, como se um ponto englobasse o infinito. Sabe onde mais encontramos este ponto? Na cabeça do Buda! Quando a madeira tem seu meio coberto com geutgi dancheong (verde uniforme com linhas retas pretas e brancas), o motivo morudancheong começa com padronagens radiantes ou em formas de ondas que evocam a iluminação reverberante do poder do Buda.

Foto: Alexandre Disaro

Minjujeom[15]

Quando uma parte dos pilares ou das toras é revestida com motivos geométricos entrelaçados (geummun) ela pode reproduzir um tecido de seda ou comportar outros motivos que permitam construir uma trama regular, ligando outras partes da pintura.

Dancheong[16]

Outro elemento interessante e corriqueiro é o anel nasal bovino. Sua utilização faz alusão a domesticação de um touro como uma metáfora a meditação e a descoberta da verdade.

Dentro do Palácio Gyeongbok (Gyeongbokgung)
Dentro do Palácio Gyeongbok (Gyeongbokgung)[17]

Pode ser a primeira vez que você vê estas imagens; como pode ser que já as tenha visto antes. Visto ou não, imagino que conhecer mais a fundo algo tão belo como o dancheong é interessante e deve ser guardando com carinho dentro da sua bagagem cultural. Quando você for para a Coréia do Sul poderá apreciar esta arte com muito mais dedicação e minúcia. Espero ter instigado sua curiosidade!

Faça suas reservas na Coréia do Sul pelo Viver a Viagem e ajude a manter o site. Não custará nenhum centavo a mais para você.

CC-BY-NC

Referências e Notas Explicativas   [ + ]

About the author

Sou fotógrafo, moro em São Paulo e já estive em 16 países. O Viver a Viagem é meu projeto pessoal e vai além de dicas triviais; quero proporcionar uma imersão cultural e ajudar você a viajar com um olhar diferente.