Blog posts

O Palácio Deoksugung em Seul

O Palácio Deoksugung em Seul

Coréia do Sul

Situado no eixo mais movimentado da capital, o Palácio Deoksu (Deoksugung 덕수궁) é conhecido por ser o único dos cinco palácios da Dinastia Joseon a fundir traços da arquitetura tradicional coreana e ocidental. Rico em história é uma parada obrigatória para quem visita Seul.

Um pouco de história

cimg0409-2
Rei Gojong em Seokjojeon, Deoksugung[1]

Construído para ser a morada do Príncipe Wolsan (irmão mais velho do Rei Seojong) o palácio teve um papel importante em dois momentos críticos da Dinastia Joseon (1392-1910).  Ambos, coincidentemente, relacionados à invasão japonesa. Em 1592 o exército japonês chegou a Busan e rumou à capital (Seul à época Hanseong). Logo antes da chegada dos japoneses, o então Rei Seojong havia fugido para Uiji, onde lá passara um ano e meio. Como consequência da invasão japonesa (Guerra de Imjin) os palácios reais de Seul foram queimados. Sem residência real, em 1593 ao retornar à capital, o rei não teve onde ficar. Assim sendo, usou o palácio do irmão mais velho como sua moradia provisória.

Em 1611 o palácio mudou seu nome para Gyeongungung (경운궁). Em 1615 fora concluída a reconstrução do Palácio Changdeok (Changdeokgung 창덕궁) e o então rei Gwanghagung mudou-se para lá, transformando Gyeongungung em sua segunda residência oficial. Gyeongungung permaneceu assim, como residência secundária, por 270 anos até 1897 quando o Imperador Gojong – Grande Império Han (1897-1910) – o transformou em sua residência. Em 1907 teve seu nome mudado para o atual Deoksugung (Palácio da Longevidade Virtuosa). Gojong viveu lá até falecerEm 1910 com a ocupação japonesa encerrarou-se a Dinastia Joseon, dando início ao período colonial. Durante este período, o governo japonês transformou a região do palácio num parque e destruiu grande parte das construções do complexo. Estima-se que o tamanho da área do palácio tenha sido reduzida a um terço do seu tamanho original e o número de edificações a um décimo.

O palácio consiste de três núcleos (Hamnyeongjeon, Junghwajeon, e Seokjojeon) que se desdobram através de uma via central partindo do Daehanmun para a direção oeste tendo acesso a cada um dos seus três núcleos com ruas no sentido norte-sul. É interessante notar o contraste desta estrutura organizacional comparada aos demais palácios da Dinastia Joseon que se configuram num eixo frente e fundos. Deoksugung segue uma lógica de colméia ao invés de estágios como os palácios Gyeongkok (Gyeongkokgung) Changdeok (Changdeokgung). Esta mescla das arquiteturas tradicional e ocidental mostra a evolução da arquitetura coreana.

O que ver?

dpmap
Mapa do Deoksugung[2]

Ao entrar no palácio pelo portão Daehan (Daehanmun), você passará pela ponte Geumcheon. O primeiro núcleo, à direita, organiza-se em volta do Hamnyeongjeon, onde o Rei Gojong dormia. A asa leste era o quarto do rei e a asa oeste o da rainha.  Logo acima econtra-se Jeonggwanheon, a primeira estrutura ocidental construída no palácio. Concluída em 1900 foi o lugar favorito do rei, onde passava seu tempo livre e bebia sua bebida favorita: o café. Deokhongjeon foi construído para receber diplomatas.

Portão Daehan (Daehanmun). Foto: Alexandre Disaro
Portão Daehan (Daehanmun)[3]
Foto: Alexandre Disaro
Deokhongjeon[4]
Foto: Alexandre Disaro
Deokhongjeon[5]
Foto: Alexandre Disaro
Porta de entrada no Hamnyongjeon[6]
Foto: Alexandre Disaro
Corredor no Hamnyeongjeon que separava os aposentos do rei e da rainha[7]

O próximo núcleo organiza-se em volta do Junghwajeon, que serviu como centro político durante o Grande Império Han (Daehanjeguk). Seogeodang foi a residência do Rei Seonjo durante o seu reinado e é facilmente reconhecida por ser a única construção do palácio com dois andares. Jeukjodang é o hall de coroação e foi palco de três coroações durante a Dinastia. Junmyeongdang era usado pelo rei Gojong como um hall de recepção.

Foto: Alexandre Disaro
Junghwajeon[8]
O terceiro núcleo se organiza em volta do Seokjojeon, uma das edificações em estilo ocidental do Deoksugung. Hoje a asa leste abriga a exibição dos Terouros do Palácio e a asa oeste é usada como parte do Centro Nacional de Arte Moderna. Gwangmyeongmun é um portão que liga nada a lugar nenhum. Isso se deve ao fato de ter sido reposicionado pelos japoneses (1938) em frente ao Seokjojeon. Originalmente era o portão de entrada para Hamnyeongjeon. Foto: Alexandre Disaro
Seogeodang[9]

O terceiro núcleo se organiza em volta do Seokjojeon, uma das edificações em estilo ocidental do Deoksugung. Hoje a asa leste abriga a Exibição dos Tesouros do Palácio e a asa oeste é usada como parte do Centro Nacional de Arte Moderna.

Seojojeon.
Seojojeon[10]

Gwangmyeongmun é um portão que, atualmente, liga nada a lugar nenhum. Isso se deve ao fato de ter sido reposicionado pelos japoneses (1938) em frente ao Seokjojeon. Originalmente era o portão de entrada para Hamnyeongjeon.

Deoksugung é também conhecido pela bela avenida Deoksungung-gil que percorre a parte sul e leste do complexo paralela à muralha do palácio. Vale a pena a caminhada!

Pintura tradicional coreana. Foto: Alexandre Disaro
Pintura tradicional coreana (dancheong)[11]
Deoksungunggil no outono.
Deoksungung-gil no outono[12]

Cerimônia de Troca da Guarda

Com muita cor e beleza, a cerimônia da troca da guarda é algo imperdível. É um evento tradicional do palácio comparável à troca da guarda britânica. O palácio onde residia o rei era chamado de Geum-gung (Palácio Proibido) e longe do alcance de pessoas comuns. A elite de guardas que defendia o palácio e escoltava o rei era chamada de geum-gun (soldados que guardam o Palácio Proibido). Durante a Dinastia Joseon os guem-gun eram responsáveis por abrir e fechar os portões do palácio, assim como guardar e patrulhar seus entornos.

A cerimônia tem inicio com dois soldados (Sumunjang) à frente guiando 78 outros soldados (Sumungun). Todos entram na respectiva ordem: Sumunjang, Sumungun, Sungjeongwon Juseo, Aekjeongseo Sayak e Chwiracheok. Assim que todos chegam ao portão Daehan (Daehanmun) inicia-se a cerimônia da troca da guarda com o tocar do tambor. Primeiro, o tambor é batido três vezes sinalizando o início da cerimônia. Então, uma nova palavra-chave de três letras é aprovada pelo rei e transmitida para o Sumunjang e para os Sumungun pelo Sungjeongwon Juseo. Em seguida, cada grupo de Sumungun pergunta e responde a palavra-chave para o outro; então, uma caixa contendo as chaves dos portões do palácio é entregue. Finalmente, um Sunjangpae (idendificação do Sumunjang) é entregue e os dois grupos de soldado fazem a troca do turno. Formalidades feitas, o momento alto da cerimônia acontece. A procissão parte doportão Daehan (Daehanmun) e passa pelo Seoul Plaza, o Centro de Nacional de Impressa, Cheonggye Plaza e pela Praça Gwanghwamun, retornando para o portão Daehan (Daehanmun). A performance do Chwiracheok é realizada em frente à estátua do Rei Sejong o Grande, na Praça Gwanghwamun. Assim que o o grupo retorna, trocam de turno novamente com os que ficaram guardando o portão.

Conheça o que cada um faz:

Sumunjang: oficial militar encarregado de guardar o portão do palacio e comandar os Sumungun;
Sumungun: soldados que guardam os portões do palácio;
Sungjeongwon Juseo: oficial civil encarregado de supervisionar a cerimônia da troca da guarda
Aekjeongseo Sayak: encarregado de controlar o envio e retorno da caixa contendo as chaves dos portões do palácio para a troca da guarda;
Chwiracheok: tocam músicas militares durante a cerimônia da troca da guarda;
Eomgosu: tocar o tambor principal durante a cerimônia;

Geumgun (guarda). Foto: Alexandre Disaro
Sumungun (guarda)[13]
Sumungun. Foto: Alexandre Disaro
Sumungun[14]
Sumungun à frente, Chwiracheok de amarelo e Sungjeongwon Juseo (oficial civil) de vermelho. Foto: Alexandre Disaro
Sumungun à frente, Chwiracheok (banda militar real) de amarelo e Sungjeongwon Juseo (oficial civil) de vermelho[15]
Sumungun. Foto: Alexandre Disaro
Sumungun[16]
Chwiracheok. Foto: Alexandre Disaro
Chwiracheok[17]
Sumungun. Foto: Alexandre Disaro
Sumungun[18]
Chwiracheok. Foto: Alexandre Disaro
Chwiracheok soprando um nagak (instrumento de sopre feito com uma concha)[19]
Sungjeongwon Juseo (oficial civil). Foto: Alexandre Disaro
Sungjeongwon Juseo (oficial civil)[20]
Sumungun. Foto: Alexandre Disaro
Sumungun de ambos grupos, trocando as palavras-chaves para proceder com a troca de turno[21]
Eomgosu (o que toca o tambor para dar início à cerimônia). Foto: Alexandre Disaro
Eomgosu (o que toca o tambor para dar início à cerimônia)[22]
Foto: Alexandre Disaro
Contraste de eras[23]
Detalhes. Foto: Alexandre Disaro
Detalhes[24]

A cerimônia acontece diariamente, a exceção das segundas-feiras e condições climáticas específicas (chuva, temperatura abaixo dos -5ºC e muito calor).

Horários de saída do Palácio Deoksu (Deoksugung): 11h, 14h, 15h30.
A cerimônia das 11h sai do Portão Daehan (Daehanmun) e vai até o Sino Bosingak, em Jongno quase às margens do Cheonggyecheon. Lá, ao meio dia, acontece a cerimônia da toca do sino, que dá início a cerimônia do Bongsudae no Namsan

Percurso da cerimônia das 11h: Portão Daehanmun > Seul Plaza > Cheonggye Plaza > Ponte Gwangtonggyo > Sino Bosingak.

Horario de funcionamento e preço

Adultos entre 19 e 64 anos: 1,000 won
Jovens entre 7 e 18 anos: 500 won
Crianças até 6 anos: entrada franca

Há uma ótima opção de ingresso combinado chamada Integrated Ticket of Palaces a qual você paga 10,000 won e tem acesso aos quatro palácios  (Changdeokgung, Changgyeonggung, Deoksugung e Gyeongbokgung) e ao Santuário Jong (Jongmyo). O ingresso tem a validade de um mês.

Site oficial do Palácio: www.deoksugung.go.kr

Como chegar?

O acesso ao palácio se dá pela linha 1 ou 2 do metrô na estação City Hall, saída 2.

Legenda: caminho que a guarda percorre desde o palácio Deoksu (Deoksugung) até o sino Bosingak; caminhada pela bela Deoksungung-gil.

 

Faça sua reserva para Seul pelo Viver a Viagem e ajude a manter o site. Não vai custar nenhum centavo a mais para você.

CC-BY-NC

Referências e Notas Explicativas   [ + ]

About the author

Sou fotógrafo, moro em São Paulo e já estive em 16 países. O Viver a Viagem é meu projeto pessoal e vai além de dicas triviais; quero proporcionar uma imersão cultural e ajudar você a viajar com um olhar diferente.